Essa é uma história fictícia, postada em capítulos a cada dia.

Se você não conhece a história, leia desde o primeiro capítulo aqui.

Agora, se você não leu o capítulo anterior, clique aqui e  fique por dentro.

E vamos ao capítulo de hoje:

 

– Saiam do quarto, por favor – disse a enfermeira.
– Ela vai ficar bem? – perguntei.
– Por favor, retirem-se. Não vou pedir novamente.
– Tudo bem. Tudo bem. Vamos, Bernardo. – disse Bruno, apressado.
Fomos para o lado de fora, desesperados e preocupados com o que podia acontecer.
– Cara, o que será que aconteceu? Será que ela vai ficar bem? – perguntei.
– Não sei. Não sei mesmo… Espero que sim. Mas só foi a gente falar do que aconteceu que ela surtou.
– É cara, acho que devíamos ter esperado ela melhorar pra dar a notícia.
– Mas ela vai ficar bem, espero.

De repente o médico passa pela gente e entra correndo no quarto.
– Cara, eu tô ficando com medo agora.
– Relaxa, Bernardo.
Olhei para o lado e vi mais três enfermeiros correndo na nossa direção com um monte de aparelhos.
– Cara, o que tá acontecendo?!
– Porra, até eu tô preocupado agora.
– Por favor, alguém pode me explicar o que tá acontecendo? – perguntei.
– A Sophia está tendo uma parada cardíaca, precisamos salvá-la – respondeu um dos enfermeiros.
– Como assim?!
– Com licença, não podemos falar agora.
– Puta que pariu, o que tá acontecendo?!
– Vou ligar pra Paty vir pra cá. – Bruno respondeu pegando o celular.

Entrei em desespero, imaginando o pior e passando mil coisas pela minha cabeça. Não consegui pensar em mais nada a não ser em ver Sophia bem novamente.
Passados alguns minutos os enfermeiros saíram do quarto com os aparelhos.
– E aí, ela está bem?
Ninguém me respondeu.
O médico saiu e veio falar comigo.
– Bernardo, infelizmente Sophia teve uma parada cardiorespiratória e veio a falecer. Fizemos o possível para que ela voltasse, mas não obtivemos sucesso. Eu sinto muito.
– O QUE?! NÃO É POSSÍVEL! MENTIRA!
– Acalme-se, Bernardo. Foi inevitável.
– Eu preciso vê-la! Ela não pode ter morrido! – já chorando e desesperado.
– Não pode, precisamos levá-la para o IML.
– Não! Eu quero vê-la! Agora!
– Tudo bem, mas somente veja.

Entrei no quarto e a vi ali deitada, como se tivesse dormindo, linda e serena.
Comecei a chorar, não aguentei.
Fui até a cama e fiquei observando-a por alguns segundos, toquei em seu rosto pela última vez, imaginando como seria se ela estivesse ao meu lado.

 

PRÓXIMO CAPÍTULO (clique aqui)

Gostou desse capítulo? Deixe um comentário (é rapidinho).

Se identificou com a história? Compartilhe, mais pessoas podem se identificar também (e não custa nada).

Quer ficar por dentro de tudo o que rola no blog? Curta a página no Facebook (pra dar aquela fortalecida).

Yeaaap!

– LET LIVE –

A vida é a coisa mais preciosa que temos, parece até obvio. Mas do que faz sentido não viver a vida que se quer? Permita-se viver a sua vida e escrever a sua história.

Estou aqui para deixar registrada a minha história e viver a vida que eu quero pra mim.

Comentários